ENCICLOPÆDIA

BIOGRÁFICA DE

ARQUITETAS e ARQUITETOS

DIGITAL 

"EBAD" - DESDE 2015 - by Silvio Durante
Kenzo Tange
♦ 04 de setembro de 1913 – Imabari / Japão
† 28 de abril de 2005 – Tóquio / Japão

PERFIL BIOGRÁFICO:

 

Kenzo Tange é um dos maiores arquitetos do século XX para o Japão e sua obra representa o modernismo emergente japonês no pós-guerra, muito inspirado por Le Corbusier. É até hoje uma das principais figuras da arquitetura nipônica atual e influenciador de uma geração inteira de arquitetos e arquitetas dentro e fora e do Japão.


Nascido em uma pequena cidade chamada Imabari, na ilha Shizuoka, Japão, Tange estudou arquitetura na Universidade de Tóquio, em 1935. Neste período foi profundamente influenciado por Le Corbusier e o Modernismo. Muito dedicado e talentoso, Tange ganhou prêmio como o estudante mais destacado do curso.

 

Após formar-se, passou a dar aulas na Universidade de Tóquio. Durante a II Guerra Mundial ele desenvolveu projetos na área de urbanismo, mas nenhum foi executado devido aos esforços de guerra do Japão no conflito.

 

Em 1949, Tange trabalhou como urbanista, ajudando na reconstrução de Hiroshima, onde desenhou o Hiroshima Peace Center and Memorial Park, no exato local onde a bomba atômica foi detonada sob esta cidade. Neste mesmo ano ele abriu seu primeiro escritório, que após diversas transformações, hoje é o renomado Tange&Associates, ainda em atividade.

 

Na década de 1950 a carreira de Tange começa a ganhar projeções internacionais, pois suas obras passam a ser premiadas e reconhecidas. Tange passa a colaborar com revistas internacionais de arquitetura, firmando o Japão como um pólo desenvolvedor dos princípios modernistas na cosntrução civil.

 

A Década de 1960 é a mais produtiva na carreira do arquiteto e é o período que ele projetou suas obras mais famosas. A catedral de Santa Maria de Tóquio foi destruída durante a guerra, e em 1961, Tange venceu o concurso para a nova sede da igreja Católica Romana no Japão.

 

Uma de suas melhores obras, segundo os especialistas em arquitetura e arte. Essa catedral revela um arquiteto maduro, em pleno controle de seus projetos, levando o potencial e partido de seus trabalhos ao extremo. Realizada em planta de formato de cruz, com paredes formadas por oito parabolóides hiperbólicos que se abrem em um rasgo zenital, o efeito da construção realmente impressiona o visitante, como era desejo de Tange, que havia visitado diversas catedrais góticas para realizar o projeto. Mudando do tradicional concreto aparente, presente na maior parte de sua obra anterior, o arquiteto revestiu a catedral inteira com aço inoxidável, trazendo mais destaque para o formato surpreendente da obra. O jogo de sombra e luz também se encontra em sua melhor forma nessa obra, com rasgos verticais e zenitais, aumentando a imponência da catedral frente ao ocupante.

Os estádios olímpicos gêmeos para as olimpíadas de Tóquio, em 1964, podem ser considerados sua grande obra-prima e solidificaram sua reputação internacional como um dos mestres da arquitetura do século 20. Os dois estádios possuem coberturas realizadas em cabos, sistema já utilizado em outras coberturas do mesmo período, como o pavilhão da Expo de Bruxelas, de Le Corbusier, mas alcança uma expressividade plástica ímpar, com enorme clareza estrutural, sistema construtivo mais desenvolvido e incorporação de uma dramática iluminação zenital. 

Nesse período, Tange começa a escrever uma série de artigos sobre arquitetura moderna e suas relações e influencias com os avanços tecnologicos, principalmente na área das telecomunicações e robotica. O Urbanismo, que sempre foi uma das vertentes de trabalho de Tange, também foi tema de seus escritos. Tange tornou-se um grande colaborador do Congresso Internacional de Arquitetura Moderna - CIAM, num momento em que o modernismo ganhava novas vertentes, como o metabolismo (vertente que propunha formas orgânicas às megaestruturas urbanas construidas no pós-guerra).

 

Tange foi responsável pelo plano diretor da Exposição Universal de Osaka de 1970, que contribuiu posteriormente para catapultar o Japão para o mundo industrializado. Durante meados da década de 70 e durante a década de 80 o trabalho de Tange não não teve mais a expressividade de antes, segundo os criticos de sua carreira.


Ainda assim, ele elaborou grandes e importantes projetos no Oriente Médio, como é caso do aeroporto do Kuwait, do palácio real da Arábia Saudita, da fundação do Rei Faisal, além dos edifícios Brickfield Hill, entre outros.

 

O planejamento urbano esteve ainda mais em seu controle do que antes, realizado em conjunto com sua arquitetura, como nos campi das universidades do Golfo Arábico, em Bahrain, e da Universidade Yarmouk, na Jordânia. Planos para o centro administrativo de Nápoles e para a porção noroeste da cidade de Bolonha também foram executados.

Com um porte de escritório internacional de renome, o Kenzo Tange Associates projetou enormes edificações durante a década de 80, com destaques para alguns dos arranha-céus em Cingapura, do centro cultural de Hiroshima e do Akasaka Prince Hotel. Edificações mais experimentais também podem ser observadas, entre essas a Toin School e o conjunto residencial Ichinomiya, que trazem ecos da inventividade e elegância de soluções dos anos anteriores.  Em 1980, Tange recebeu a Ordem da Cultura do Japão, entre vários prêmios recebidos em seu país e no exterior.


Em 1987, Tange recebeu o Prêmio Pritzker de Arquitetura, a maior condecoração da área, devido o projeto do Aeroporto Internacional do Kuait projetado anos antes.

 

Nesse mesmo ano ele projeta o Centro Administrativo de Tóquio. Trata-se de uma torre de 250 m de altura que se divide em duas em uma certa altura, concebida com revestimentos e aberturas de maneira a realizar referência a um microchip de informática.

 

Outra obra é a sede de telecomunicações da rede Fuji de televisão, um edifício bastante inventivo em sua natureza plástica, lidando com um jogo de volumes retangulares e esféricos e uma interessante estrutura aparente, de maneira a organizar os diferentes espaços requeridos por um programa complexo. O edifício da Fuji foi muito influente em uma série de projetos da década de 90.

Kenzo Tange faleceu aos 91 anos e esteve ativo profissionalmente até os 88 anos de idade. Foi o mentor de pelo menos duas gerações de excepcionais arquitetos e artistas japoneses, como Fumihiko Maki, Arata Isozaki e outros.

 

Kenzo Tange, morreu em 28 de abril de 2005 em sua casa em Tóquio, aos 91 anos, de insuficiência cardíaca.

 

 

Kenzo Tange

OBRAS SELECIONADAS:

 

> (1) Arena Olímpica, Tóquio - 1964

> (2) Edifício do Governo de Tóquio - 1991

> (3) Catedral de Santa Maria de Tóqui - 1964

> (4) Torre de Transmissão Shizuoka - 1967

> (5) Shinjuku Park Tower - 1994

> (6) Palácio Real da Arábia Saudita - 1981

> (7) Aeroporto Internacional do Kuwait - 1970

> (8) Parque da Paz - Memorial de Hiroshima - 1949-1955

> (9) Prédio Central de Transmissão Fuji - 1990

> (10) Ginásio Municipal de Kagawa - 1964

> (11) Museu de Hiroshima - 1949-1955

> (12) Centro Yamanashi de Transmissão - 1966

 

> (1) Arena Olímpica, Tóquio
> (1) Arena Olímpica, Tóquio

> (1) Arena Olímpica, Tóquio - 1964

press to zoom
> (2) Edifício do Governo de Tóquio
> (2) Edifício do Governo de Tóquio

> (2) Edifício do Governo de Tóquio - 1991

press to zoom
> (3) Catedral de Santa Maria
> (3) Catedral de Santa Maria

> (3) Catedral de Santa Maria de Tóqui - 1964

press to zoom
> (4) Torre de Transmissão Shizuoka
> (4) Torre de Transmissão Shizuoka

> (4) Torre de Transmissão Shizuoka - 1967

press to zoom
> (5) Shinjuku Park Tower
> (5) Shinjuku Park Tower

> (5) Shinjuku Park Tower - 1994

press to zoom
Palácio Real da Arábia Saudita
Palácio Real da Arábia Saudita

> (6) Palácio Real da Arábia Saudita - 1981

press to zoom
(7) eroporto Internacional do Kuwait
(7) eroporto Internacional do Kuwait

> (7) Aeroporto Internacional do Kuwait - 1970

press to zoom
> (8) Parque da Paz Hiroshima
> (8) Parque da Paz Hiroshima

> (8) Parque da Paz - Memorial de Hiroshima - 1949-1955

press to zoom
> (9) Prédio Fuji
> (9) Prédio Fuji

> (9) Prédio Central de Transmissão Fuji - 1990

press to zoom
> (10) Ginásio Municipal de Kagawa
> (10) Ginásio Municipal de Kagawa

> (10) Ginásio Municipal de Kagawa - 1964

press to zoom
> (11) Museu de Hiroshima
> (11) Museu de Hiroshima

> (11) Museu de Hiroshima - 1949-1955

press to zoom
> (12) Centro Yamanashi
> (12) Centro Yamanashi

> (12) Centro Yamanashi de Transmissão - 1966

press to zoom

 - Referencias:

 

- GLANCEY, Jonathan. Guia Ilustrado de Arquitetura. Trad. Laura Alves e Aurélio Rebello. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

 

- FORTE, Fernando.  Kenzo Tange - TRADIÇÃO VERSUS MODERNIDADE. Artigo Publicado na Revista AU PINI - Arquitetura e Urbanismo. Disponivel em http://au.pini.com.br/arquitetura-urbanismo/152/artigo34832-1.aspx. Acesso em 15 de dezembro de 2015

 

- LACERDA, Juliana. Kenzo Tange, 1913-2005. Architecton - Revista de Arquitetura e Urbanismo, Vol3 nº5, 2013. Faculdade Damas da Instrução Cristã. Disponivel em http://www.faculdadedamas.edu.br/revistas/index.php/arquitetura/article/viewFile/315/369. Acesso em 15 de dezembro de 2015.

 

 - Quirk, Vanessa. "Em foco: Kenzo Tange" [Spotlight: Kenzo Tange] 04 Set 2015. ArchDaily Brasil. (Trad. Romullo Baratto) Acessado 15 Dez 2015. <http://www.archdaily.com.br/138581/em-foco-kenzo-tange>

 

- PRITZKER, Architecture Prize. Kenzo Tange - 1978. Disponivel em http://www.pritzkerprize.com/1987/bio. Acesso em 14 de dezembro de 2015

 

- SITE OFICIAL DO ARQUITETO: www.tangeweb.com

Como citar este documento:

Enciclopædia Biográfica de Arquitetos Digital

Autor(es) do verbete:: DURANTE, Silvio; SILVA, Sandra M. L.
Título: Kenzo Tange

Documento nº: T02

Disponível na Internet via: www.ebad.info/#!tange-kenzo/c1w86
Última atualização: 15/12/2015

Início

Índice A-Z

Enciclopédia Biográfica de Arquitetas e Arquitetos Digital